Tag Archive: Trechos.



Aceitar o castigo imerecido não por fraqueza,

mas por altivez.

No tormento mais profundo o teu gemido

trocar num grito de ódio a quem o fez.

E as delícias da carne e do pensamento

a quem o instinto da espécie nos engana

sobrepor ao generoso sentimento

 de um feição simplesmente humana.

Não tremer de medo, nem de espanto

nada pedir, nem desejar, se não

a coragem de ser um novo santo

sem fé no mundo do além do mundo e então

não derramar nenhumalágrima

que a vida não val a pena e a dor de ser vivida.

(2º Soneto – Manuel Bandeira)


Foda-se a escola.

Foda-se o trabalho duro.

Foda-se essa mentira de que você está fodido e mal pago sem um diploma.

Leia, assista a filmes policiais, vague por Los Angeles.

Fantasie e cutuque seu nariz e conte histórias para você mesmo. (…)

Seja preguiçoso. Seja indolente.

Ignore a sabedoria adulta.

Seja consumido pelo fogo de seu insensato auto-conhecimento.”

James Ellroy (Where I Get My Weird Shit)


“Coleman estava assassinando sua mãe. Assassinar o pai não é necessário. Isso o mundo faz por nós. Há muitas forças tentando pegar o pai. O mundo toma conta dele, como já fizera como sr. Silk. É a mãe que tem de ser assassinada, e era isso – Coleman percebeu – que ele estava fazendo, ele o menino que fora amado. Continue lendo


 “A minha existência é para mim uma tarefa que só eu cumpro e executo:

não há quem escreva a minha vida para mim.

Assim também é a obra de arte:

ela registra essa aventura, esse risco que é o da existência humana.”

Moacyr Laterza


Patti Smith e Robert Mapplethorpe não ficaram juntos por muitos anos. Ele assumiu sua homossexualidade e viveu paixões. A principal foi pelo homem que seria o mecenas até o fim da vida. Continue lendo


“Eu acho que os gays no Brasil tinham que ter um pouquinho mais de consciência do seu significado como grupo e não ficar subindo em caminhões nas paradas gays e ficar se beijando. Quatro milhões se juntando podem eleger o presidente da República”.

Ney Matogrosso


“MEU DISCURSO É OBSCURO

PORQUE EU ESTOU SOZINHO.

É DIA

TERRIVELMENTE

QUIÇÁ PARA SEMPRE.”

Pual Éluard


Vai, senta o rabo sujo nessa porra de cadeira giratória emperrada e trabalha,
trabalha, fiadaputa. Taí o computinha zumbindo na sua frente. Vai, mano, põe
na tua cabeça ferrada duma vez por todas: roteiro de vídeo institucional. Não é
cinema, não é epopéia, não é arte. É — repita comigo — vídeo institucional. Pra
ganhar o pão, babaca. E o pó. E a breja. E a brenfa. É cine-sabujice empresarial
mesmo, e tá acabado. Cê tá careca de fazer essas merdas. Então, faz, e não
enche o saco. Porra, tu roda até pornô de quinta pro Silas, aquele escroto do
caralho, vai ter agora “bloqueio criativo” por causa dum institucionalzinho de
merda? Faça-me o favor. Continue lendo


(…) A poesia me leva a perdidos caminhos

de onde volto mais só,mais desesperançado.

De tudo resta apenas a página rabiscada.

Deixo cair da mão o verso que se parte.

Outro me foge escrito sem palavras,

buscando outros sentidos…

O verso é feito do ar que se respira

Correi, correi,ó versos sem palavras…

Dante Milano in “Passagem da Poesia”


“Beleza é o repentino aconchego entre algo e alguém, em qualquer tempo e lugar.

É perene imigração.”

Antônio M Rodrigues