Tag Archive: LITERATURA UNIVERSAL



  • “A linguagem é uma razão humana que tem suas razões, e que o homem não sabe” – Claude Lévi-Strauss, antropólogo e filósofo francês.

  • “Quantas línguas um homem conhece, tantas vezes é homem” – Carlos I, imperador espanhol do Sacro império Romano, entre 1519 e 1556. Continue lendo

Anúncios

  • Algum tempo depois de seu último encontro com Paul Verlaine(de quem tinha se tornado amante), o francês, Arthur Rimbaud, considerado um dos maiores poetas de todos os tempos, desistiu de,  escrever  resolveu trabalhar. Continue lendo


Aceitar o castigo imerecido não por fraqueza,

mas por altivez.

No tormento mais profundo o teu gemido

trocar num grito de ódio a quem o fez.

E as delícias da carne e do pensamento

a quem o instinto da espécie nos engana

sobrepor ao generoso sentimento

 de um feição simplesmente humana.

Não tremer de medo, nem de espanto

nada pedir, nem desejar, se não

a coragem de ser um novo santo

sem fé no mundo do além do mundo e então

não derramar nenhumalágrima

que a vida não val a pena e a dor de ser vivida.

(2º Soneto – Manuel Bandeira)


  • Filho de família ilustre de São Paulo, Antonio Alcântara Machado, autor de “Brás,Bexiga e Barra Funda”, compunha com Oswald de Andrade,Tarsila do Amaral e Anita Malfati a vanguarda modernista abastada, que tinha recursos para ir à Europa e absorver toda a discussão que estava em voga na época.

  • Em 1926, publicou “Pathé-Baby”, crônicas e reportagens que foram reunidas e tiveram o prefácio de Oswald de Andrade. Ali o autor já apontava para sua dupla vocação: jornalismo e literatura. Continue lendo


Tudo em vermelho…
E tudo se tornou vermelho. E ele pensava que a raiva se vestia de vermelho e tudo mais. 

“Cobiçava conhecer mais palavras para nomear o incômodo perpétuo instalado pela dor.”

“Neste livro, eu trabalho a questão da memória”, disse delicadamente o mineiro Bartolomeu Campos de Queirós, no lançamento de seu “Vermelho Amargo”, em abril do ano passado. “Na memória está o vivido e o sonhado. Portanto, toda memória é ficcional”. Continue lendo


 

“Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar esta pessoa de nossos sonhos e abraçá-lo.

 Sonhe com aquilo que você quiser. Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que se quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.

Dificuldades para fazê-la forte.

 Tristeza para fazê-la humana.

E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Continue lendo


“Quanto mais rápido escrevo, melhor eu escrevo. Se estou muito devagar, estou em apuros. Significa que estou empurrando as palavras em vez de estar sendo empurrado por elas.” Raymond Chandler Continue lendo


“É um cubo mágico. Memórias e conceitos detonam movimentos internos. Imagens substituem blocos coloridos e clicam em coesão. Colunas conectam. Linhas surgem. Você pega o que precisa e o que você foi e passa tudo pelo filtro do que você se tornou. Você impõe ordem. Você joga uma cereja no bolo. Se você é talentoso e honesto e puro, tudo funciona (…)

“Escreva bêbado, edite sóbrio.” Ernest Hemingway Continue lendo


A  primeira entrevista concedida por Clarice Lispector, então uma jovem estudante universitária, garimpada em uma edição de 1941 da revista Diretrizes.

Pode destacar algum vulto?

Vários, como Graciliano Ramos, que me parece o maior, Rachel de Queiroz, Augusto Frederico Schmidt, etc. Continue lendo


O BALCÃO DE ROMEU E JULIETA

As regras são:

1. Nunca comece um livro falando sobre o tempo.

2. Evite prólogos.

3. Nunca use nenhum verbo para carregar o diálogo que não seja “dizer” (tipo, “ele disse” em vez de “ele justificou”, “afirmou”, “disparou” etc.)

4. Nunca use um advérbio junto com “disse” (como em “disse ele seriamente”).

5. Mantenha seus pontos de exclamação sobre controle. Continue lendo