Tag Archive: CONTOS



Dario, precocemente envelhecido pelo álcool, atravessa os dois últimos quarteirões que desaguam no centro da cidade para cumprir aquilo que denomina como sua “prescrição diária de tédio”, em outras palavras, o desconforto de refazer o mesmo percurso deixando para trás o cheiro de esgoto e a paisagem gasta do subúrbio – não que o centro da cidade não tenha seus odores desagradáveis também, mas pelo menos as pessoas fingem que não sentem ou cruzam por ele com sua pose de celulares e olhos encharcados de veleidades. Continue lendo


Ele cumpre em todo final de ano o mesmo ritual: liga pros classificados” e solicita o garoto que dormirá consigo esta noite.

Por quê no último dia do ano?

O garoto deve se parecer um pouco com o filho que não teve e que  não pretende.

No meio da conversa deve sugerir que está cansado desta vida.

Não importa a cor – ainda que não conheça nenhum rapaz de programa negro.

Tentará convencê-lo a não mais se prostituir – claro, depois de dormir consigo e comemorarem a passagem de ano juntos.

Ele cumpre em todos os finais de ano o mesmo ritual desta noite.

TOM


Otávio saiu de casa porque a cerveja estava quente e precisava beber alguma coisa, afinal,era sexta-feira!

Foi por absoluta coincidência que Otávio flagrou naquele bar que sempre frequentava sua namorada, quase noiva,em companhia de um outro rapaz.Eles se beijavam.

Pacientemente, Otávio pesquisou a vida do rapaz descobrindo que fazia “bico” para sobreviver e ali mesmo fez-lhe uma proposta, uma quantia irrecusável para deixar a namorada ,sua noiva.

Estão juntos até hoje.

TOM


O corpo de B fora atirado pela janela e a polícia confiscou seus parcos pertences.

Havia um brinco em formato de maçã nos lóbulos de B.A polícia confiscou também.

Na noite anterior tomamos sorvete na saída do cinema. Ele sonhava com Veneza e uma camisa de flores estampadas. Admirava João Cabral de Melo Neto pela musicalidade nordestina dos versos de “Morte e Vida Severina”.

Colecionava frascos vazios de perfumes e rótulos de bebidas. Não fumava e seu corpo adolescente era disputado pelos cínicos da Savassi.

Defenestram B sobre a calçada e a polícia confiscou seus brincos de maçã. Apenas um, porque o outro fora rasgado com toda a cartilagem.

TOM


“E o meu corpo estava cheio de ovo, que minha mãe havia colocado demais no miojo. Foi aí que as ovelhas entraram e comeram tudo, o meu corpo, os ovos e o requeijão. Por ser muita coisa, as ovelhas todas morreram também, mas ninguém quis comê-las, pois as ovelhas eram amargas.”

Trecho do livro de contos “Festa na Usina Nuclear” de Rafael Sperling


Todos os erros. Todos os erros do mundo. Todos os erros e os erros do mundo também.

Tenho em mim todos os pecados do mundo. Mas não confesso crimes.confesso pecados e erros,mas não confesso crimes. Continue lendo


Todas as noites os serafins visitam nossas casas e pedem que tenhamos cuidado com os resíduos deixados sob a terra onde moram detritos mais nobres que os humanos ali aleatoriamente depositados.

Eles nos ensinam a mastigar brasas e manter o corpo em ponto imaterial para ocasiões ainda não detalhadas. Continue lendo


– Batman :Saia daqui Robin e pode levar sua tia velha junto (está se referindo ao Alfredo).

– Alfredo : Tia velha é a pu… quer dizer, acalme-se patrãozinho. Relaxe, os vizinhos estão ouvindo.

– Robin : Santa Decadência Alfredo, Isso sempre acontece nas noites de lua cheia. A bicha fica impossível, histérica. Vou cair fora desta droga de mansão.

– Alfredo: Patrão,não grite assim, todo mundo vai saber que você e o Batman são a mesma pessoa.

– Batman: E daí? Que importa? Sou assumido, entendeu? Continue lendo


 

Batman, Robin e Alfredo, digo, Alfred

– Robin : Pode ficar com tudo. Vou embora desta mansão sombria e escura.

– Batman (berrando): Ah é? Ah é? Tá boa santa! Você não vai ver bat-lágrimas nos meus olhos, não mesmo. Estou cansada de você, do Comissário Gordon, de ser combatente, de tudo. Some daqui, seu ingrato. Continue lendo


– Robin : Vou voltar para casa da mamãe e não adianta me buscar ,nem mandar flores, agora chega!

– Batman (fala olhando no espelho) : Esses garotos prodígios… Não te esqueças que te ensinei tudo bofete, tudo, e agora vem com ofensas, não é? Que injustiça. Oh destino cruel e insano, oh vida bandida e ingrata. Eu nunca deveria ter virado homem morcego. Olhe bem para mim: não pareço um guarda-chuva velho? E ainda tenho que suportar criança me enchendo o saco. Queria viver, viver, ouviu? Ser a mulher maravilha, tá legal? Continue lendo