1. Em Algum Lugar do Paraíso – em 41 crônicas, Luis Fernando Veríssimo dá vida a personagens do cotidiano um maître de um restaurante falido e um filósofo que conversa com seu cachorro. Tempo,liberdade,amor , vida e morte são os temas que norteiam essa obra de um dos maiores cronistas brasileiros da atualidade.Editora Objetiva

  2. A Prisioneira  – quinto  volume de Em Busca do Tempo Perdido , composto de sete livros, A Prisioneira coloca em foco a relação do narrador com sua amante. A vida cotidiana do casal imersos em possessividade e insegurança.Editora Globo

  3. Virgínia Woolf – A Medida da Vida – os últimos 11 anos de vida de Virginia Woolf são o foco da biografia escrita pelo austríaco Herbert Morder, narrando como ela enfrentou o avanço do totalitarismo e a radicalização do ambiente político na Inglaterra.Editora Cosac e Naify

  4. Adoro Problemas-os passos que levaram o premiado documentarista Michael Moore a enfrentar as leis de armamento em Tiros em Columbine, o governo Bush em Farhrenheit 9/11 e a desorganização do sistema de saúde do americanos.Editora Leya

  5. O Romancista Ingênuo e Sentimental – ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 2006, o escritor turco Orthan Pamuk, reúne neste livro seis aulas sobre a natureza do romance procurando se colocar no papel de um artista e intelectual vivendo em um país periférico e, ao mesmo tempo,analisa o papel que a leitura e a escrita exercem nesse contexto. Editora Companhia das Letras.

  6. Kamasutra – a autoria do Kamasutra é atribuída ao indiano Vatsyayana. A obra, um possível guia dos prazeres sensoriais –sutra  pode ser traduzido como “conjunto de aforismos” e kama como “gozo dos sentidos”.O único volume divulgado no Ocidente foi “o livro do sexo”(são 7 livros).EditoraTordesilhas.

  7. Frida – a obra traz a intimidade da artista de sobrancelhas espessas e roupas coloridas por meio de anedotas sobre seu casamento com o muralista Diego Rivera e os casos extraconjugais com o revolucionário Leon Trotski, além de detalhadas descrições e análises de seus quadros. Serviu de inspiração para o filme Frida, estrelado por Salma Hayek.Editora Globo.

  8. Mister Paradise e Outras Peças em Um Ato – a obra reúne 13 peças escritas por Tenesse Williams,mas nunca foi publicada  em vida, sendo 12 inéditas. Um dos principais nomes da dramaturgia do século 20,ele escreveu cerca de45 peças longas e 60 em um ato.Foi também um dos autores com maior número de adaptações para o cinema no mundo.Além das peças, Williams escreveu contos, romances ,poesia, ensaios, roteiros cinematográficos e um volume de recordações intitulado Memórias.Editora É Realizações.

  9. O Paraíso de Zahra – lançada originalmente na internet em 2010 após fortes protestos populares contra as eleições presidências no Irã em junho de 2009, a graphic novel trata de amor, perda e luta pela liberdade num cenário caótico. Escritos pelos iranianos Air e Khalil – que preferem não divulgar seus nomes por medo de possíveis represálias de líderes religiosos -, foi traduzida para 12 idiomas em mais de 125 países.Editora Leya

  10. Dicionário de Luís de Camões – obra de referência, traz mais de 200 verbetes dedicados ao vocabulário presente na obra d e Luís Vaz de Camões, autor de Os Lusíadas , relacionando-o à pintura, às artes plásticas e á música. O livro também aborda os mais importantes estudiosos que se debruçaram sobre sua obra. Editora Leya.

  11. Graciliano: Retrato Fragmentado – acreditando que as biografias sobre seu pai não davam conta do homem  que existia por trás da importante obra, Ricardo Ramos, filho do escritor Graciliano, lançou-se ele mesmo à tarefa.Editora Globo

  12. Andy Warhol – em 1968, Andy Warhol, já então figura central da pop art, foi atingido por três tiros disparados em seu ateliê por Valerie Solanis,dramaturga e feminista radical. O atentado aconteceu após Warhol  haver recusado  seus trabalhos e ter errado a grafia de seu nome nos créditos de um filme de que ela participara. Após o atentado, Warhol passaria quase dois meses no hospital. A esse espisódio é destinado  um capítulo, “Tentativa de Assassinato”  ‘Feminista’  em 3 de junho de 1968”, da obra Andy Warhol . Editora L&PM

Fonte : Revista “Cult” # 164