“Não será surpresa para mim se dia desses o Vaticano anunciar o que tanta gente desconfia: que o Inferno não existe. Há quem diga que existe, e até funciona aqui perto de casa em dia de jogo do Corinthians. Não duvido. Mas me refiro à matriz, ao inferno propriamente dito, mobiliado com caldeirões de água pelando e animado por diabos magros (alguém já viu diabo gordo?) e espevitados, com chifres de bode e rabos em forma de seta, tridente em riste para espetar a carne fraca dos ímpios. Pois vai acabar, se é que algum dia existiu.”

Fragmento do livro de crônicas “Este Inferno Vai Acabar” de Humberto Werneck