Anjos mendigos vagam atordoados pelas ruas:

ganharam a graça de se tornarem humanos

mas não sabem o que fazer com isso.

Adentram igrejas, miram a testa do Cristo

e se perguntam “por que?”.

São humano-impostores catando vestígios da divindade perdida.

Anjos mendigos comem restos de hambúrgueres pensando em ambrosias.

Dão o rabo a bêbados em banheiros de rodovias.

Anjos mendigos perambulam por bordéis procurando entender a santidade das putas.

Anjos mendigos saltam de prédios na esperança do vôo.

Se abraçam a estátuas de outros anjos em busca de consolo.

Anjos mendigos se empregam como trapezistas ou kamikazes pára-quedistas.

Anjos mendigos

são

a catarse

involuntária de Deus.

TOM