O que, afinal, uma hélice de DNA, uma garrafa de Coca-Cola e a “Monalisa” têm em comum? Nada, nos diz o historiador de arte britânico Martin Kemp, mas os três ultrapassaram o conceito de imagem para se tornarem ícones.

Em seu novo livro, “Christ to Coke: How Images Become Icone” (de Cristo à Coca: como imagens se transformam em ícones, em tradução livre), recém-lançado na Inglaterra, Kemp retraça a história cultural de 11 desses emblemas, de Jesus Cristo –o “ícone dos ícones”– à formula de Einstein; de Che Guevara ao símbolo do coração.

FONTE : FOLHA ONLINE