• Foi Étienne Carjat, jornalista, fotógrafo e caricaturista francês quem fez as famosas fotos de Rimbaud e Charles Baudelaire. Em certa reunião literária em que Rimbaud, aos gritos, não permitia que um poeta declamasse versos tidos como ruins pelo jovem rebelde, Carjat chamou-o de crápula e foi devidamente ameaçado pelo rapaz de Charleville com uma bengala.

  • Ao chegar em Paris, Rimbaud ficou por algum tempo hospedado na casa de um amigo de Verlaine, Charles Cros. Após desentender-se com esse, Rimbaud passou a trabalhar como barman do Círculo Zutique, uma espécie de bar que só recebia artistas e poetas selecionados a dedo.

  • Uma vez por mês, os poetas parnasianos, que davam ao seu grupo o nome de Villains Bonsohommes(algo como Vilões Hipócritas), se reuniam para um banquete.

  • Depois de muito beber e comer, eles declamavam seus poemas. Os acontecimentos da Comuna de Paris fizeram com que os poetas, quase todos comunnards (primeiro governo operário da história, que se colocou em resistência à invasão alemã), deixassem de se encontrar, mas quando os ânimos foram apaziguados foi feita uma nova reunião, à qual Rimbaud compareceu e recitou seu poema “Barco Ébrio”.