O traço quase infantil de Aline Kominsky-Crumb só engana quem não passa da capa de “Essa Bunch É um Amor” (Conrad), apanhado de histórias em quadrinhos, de 1975 a 2005, em que a cartunista norte-americana registra a própria história.

Anúncios