“O olho do poeta,num delírio excelso, passa da terra ao céu,

do céu à terra, e como a fantasia dá relevo a coisas até então desconhecidas,

a pena do poeta lhes dá forma e a esta coisa nenhuma,

aérea e vácua,

empresta nome e fixa lugar certo”

William Shakespeare

Anúncios